quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Treinamento em base de dados de Fisioterapia


A EBSCO está gentilmente oferecendo a fisioterapeutas convidados por este blog e pela página do Facebook Fisioterapia Baseada em Evidência (aqui), gratuitamente e através de teleconferência o seguinte treinamento:

Rehabilitation Reference Center (RRC).

Este treinamento está sendo organizado por Carolina Fraga e está agendado para:

14 de Outubro de 2013, as 20:00 horas 
(Horário Padrão da América do Sul - Leste, Brasília, GMT-03:00) 

O que é RRC? 
O Rehabilitation Reference Center (RRC) oferece informações atualizadas e relevantes para que fisioterapeutas possam conduzir o tratamento personalizado no local de atendimento, utilizando a melhor evidência disponível. Seu conteúdo inclui cerca de 550 comentários clínicos e mais de 150 instrumentos de pesquisa, além de 9.800 imagens de exercícios.

Para mais informações e inscrição, acesse este endereço aqui e registre-se.
Número da sessão: 644 297 902, não requer senha do registro. 

Após ser aprovado pelo organizador, você receberá um e-mail de confirmação com instruções para entrar na sessão.

Para exibir em outros fusos horários ou idiomas, clique aqui. Para assistência, você pode entrar em contato com Carolina Fraga em: cfraga@ebscohost.com.

Aproveite a oportunidade! Inscreva-se e divulgue aos seus amigos. 
Aguardamos você!

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Novidades

Após muito tempo parado, atualizamos algumas novidades por aqui!

Entre elas, a página Fisioterapia Baseada em Evidências no Facebook que pode ser acessado clicando aqui. Trata-se de uma alternativa mais dinâmica, instantânea e direta para divulgação de novidades de evidências na área da Fisioterapia. Acesse, curta e deixe seu comentário por lá!

Outra atualização são os fatores de impacto dos principais periódicos mundiais e nacionais, inclusive na chamada área da "Reabilitação". Merece destaque especial a Revista Brasileira de Fisioterapia, que teve fator de impacto igual a 1,0 e ocupou o 12º lugar entre os periódicos brasileiros, o que significou um grande salto desde 2009. A visualização dos periódicos de maior destaque segundo o Journal Citation Reports (JCR) pode ser visualizado em infográficos disponíveis na aba do menu superior intitulada "O que é Fator de Impacto (FI)?", ou diretamente aqui.

Outra novidade é a disponibilização de uma planilha dinâmica com a atualização do Referencial Nacional de Procedimentos Fisioterapêuticos (3ª versão), publicada em 08/07/2013 e disponível no final do menu lateral direito do site ou diretamente por aqui. Foram disponibilizados apenas alguns procedimentos, mais à nível ambulatorial e domiciliar e tem objetivo apenas informativo.

Desejamos bom proveito das ferramentas disponibilizadas.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Prevenção de quedas em pessoas idosas: um tema recorrente


O estudo dos fatores relacionados à queda em idosos ganha crescente importância nos últimos anos com a recorrência de estudos acerca de sua epidemiologia, da prevenção, da avaliação e do tratamento, afetando diretamente nas políticas públicas que envolvem o tema e a fisioterapia, como área do conhecimento, tem dado uma enorme contribuição nesse sentido.

Neste endereço aqui, a Biblioteca Cochrane divulgou mais uma série de revisões sobre o tema, que poderão ser obtidas gratuitamente via Bireme, se você estiver na América Latina, por exemplo.

São quadro revisões: uma sobre intervenções para prevenir quedas em idosos que vivem na comunidade, outra para idosos que vivem em instituições ou hospitais, outra sobre intervenções de base populacional e a última sobre a efetividade de protetores de quadril para evitar fraturas de quadril.

Mas em suma, o que dizem elas?

Idosos na comunidade (revisão de 159 estudos, com 79.193 participantes:
  1. Exercícios em grupo ou feitos em casa, com enfoque no equilíbrio e no fortalecimento, assim como o Tai Chi, efetivamente reduzem quedas e consequentemente fraturas.
  2. Intervenção para um ambiente domiciliar seguro, feitas por terapeuta ocupacional, parece ser efetivo, especialmente para pessoas com alto risco de queda.
  3. Intervenções multifatoriais que avaliam o risco de queda individual e orientam tratamentos focados nos riscos identificados reduzem o número de quedas no idoso, mas não o número de pessoas que caem. Há fatores a serem determinados sobre sua efetividade.
  4. Tomar Vitamina D não reduz queda na maioria das pessoas, mas pode ajudar indivíduos com baixos níveis séricos antes do tratamento.
  5. Diminuir gradativamente a medicação com acompanhamento médico, em particular de medicamentos psicotrópicos (que servem para induzir o sono, a ansiedade e a depressão), tem sido útil para reduzir quedas. Alguns remédios aumentam o risco de cair.
  6. Procedimentos cirúrgicos como: cirurgia para catarata ou marcapasso reduzem quedas em indivíduos com necessidades específicas.
  7. Para indivíduos com problemas nos pés (dor), uma boa avaliação do calçado, palmilhas personalizadas e exercícios para os pés e tornozelos reduzem o número de quedas.
  8. A evidência sobre fornecer instruções isoladas para se prevenir quedas através de material educativo é inconclusiva.

Idosos em hospitais e instituições (revisão de 60 estudos, com 60.345 participantes):
  1. Em instituições, a prescrição de vitamina D reduz o número de quedas, provavelmente pelos residentes terem baixos níveis séricos no sangue.
  2. Estudos que testaram a utilização de exercícios nestes ambientes foram inconsistentes e ainda não demonstraram benefícios. É provável que programas de exercícios tenham aumentado as quedas em idosos mais frágeis e reduzido em idosos menos frágeis em instituições.
  3. Intervenções direcionadas a múltiplos fatores de risco podem ser efetivas em reduzir o número de quedas.
  4. Fisioterapia reduz o número de pessoas que caem em hospitais de reabilitação e intervenções que reduzem os fatores de risco foram efetivas para reduzir quedas em hospitais.

Intervenções baseadas na população (revisão de seis estudos prospectivos controlados populacionais, nenhum randomizado):
  1. Todos os estudos relataram redução de 6-75% em lesões relacionadas a quedas entre os diferentes programas utilizados na Austrália, Dinamarca, Noruega, Taiwan e Suécia, durante oito anos.
  2. Os estudos utilizaram diferentes combinações de estratégias e intervenções multifatoriais na comunidade, entre elas: recursos educativos, visitas domiciliares aos indivíduos com maiores riscos, redução de risco doméstico, engajamento da mídia local, agências e serviços, controle de medicação inapropriada, tratamento de doenças somáticas e psiquiátricas, promoção de atividade física e mental, utilização da estrutura e recursos humanos treinado, melhora da iluminação pública e das condições das estradas e calçadas, exercícios de Tai Chi. Todos os recursos foram utilizados de diferentes formas e proporções nos diferentes estudos.
  3. O estudo Australiano atingiu um significante decréscimo de 20% na hospitalização por queda. Na Dinamarca observou-se uma diminuição significativa de 33% nas fraturas de membro inferior. Na Noruega não houve diferenças não tão significativas na redução de fraturas. Na Suécia houve redução significativa nas lesões relacionadas a quedas apenas na faixa etária entre 75-79 anos em um estudo, e em mulheres em outro estudo.

Protetores de quadril para prevenção de fraturas (revisão de 13 estudos, 11.573 participantes):
  1. A eficácia do uso de protetores de quadril na redução da incidência de fratura de quadril em idosos ainda não está claramente estabelecido. Parece que podem ajudar se disponíveis para idosos frágeis em cuidados de enfermagem.
  2. Ainda não se sabe se estes resultados se aplicam a todos os tipos de protetores de quadril. Pouca aceitação e adesão, é um fator a considerar na tomada de decisão, particularmente a utilização em longo prazo.

Verifique aqui que muito do que foi exposto nas atualizações das revisões acima reforça as recomendações de estudo anteriores já comentados neste site.

O que nos chama a atenção agora é o número de participantes agrupados nas análises dos resultados. São estudos que realmente temos que considerar!!

OBS.: Respeite o trabalho alheio! Copiar esta postagem é permitido, desde que citada devidamente a fonte.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Treinamentos abertos e gratuitos


A base de dados EBSCO oferece uma semana de treinamentos abertos via Webex todo mês. Estes treinamentos estão destinados a alunos, docentes, pesquisadores, bibliotecários e demais interessados.

Para registrar-se em um treinamento, clique aqui, configure seu navegador e selecione o(s) treinamento(s) de interesse. Ao clicar em “Registrar-se”, você será levado à página de registro que deverá completar com suas informações, em seguida receberá um e-mail de confirmação com um link direto para o treinamento, que você deverá acessar no dia e horário indicados.

Todos os treinamentos se encontram no horário oficial de Brasília, Brasil, portanto fique atento caso você se encontre em outro país ou estado em que exista diferença no fuso horário. Por fim, os treinamentos tem duração de aproximadamente 1 hora, necessitam um computador com internet e fones de ouvido/caixas de som. O ideal é que o participante ingresse o treinamento pelo menos 5 minutos antes do treinamento para configurar seu áudio.

Alguns exemplos de treinamentos disponíveis para os próximos dias:

Patient Education Reference Center (PERC)
Este treinamento faz uma revisão dos tópicos principais do PERC, que é um produto de saúde baseada em evidência, focado na orientação ao paciente, desde o diagnóstico até o procedimento de alta. O PERC foi um produto pensamento em hospitais, clínicas e instituições de ensino de saúde, com o próposito de orientar sobre os temas que cercam o principal objetivo de qualquer atividade de saúde: permitir a rápida e eficaz recuperação de seu paciente.
Data: Segunda-feira, 4 de março de 2013, às 13:00

Saúde baseada em evidência
Este treinamento fará um introdução dos do conceito de saúde baseada em evidência, apresentando qual a metodologia de desenvolvimento, qual o objetivo deles e por fim quais produtos da EBSCO possuem tal característica. O objetivo deste treinamento é familiarizar o participante com este produtos específicos EBSCO.
Data: Terça-feira, 5 de março de 2013, às 13:00 

Rehabilitation Reference Center (RRC)
Este treinamento faz uma revisão dos tópicos principais do RRC, que é um produto de saúde baseada em evidência, focado na orientação dos profissionais de saúde envolvidos no processo de rehabilitação. O RRC foi um produto pensamento em hospitais, clínicas e instituições de ensino de saúde, com o próposito de orientar sobre as doenças, condições, terapias e medicamentos envolvidos na recuperação de um paciente em rehabilitação.
Data: Quinta-feira, 7 de março de 2013, às 13:00 

Há outros treinamentos disponíveis no link acima. Para se inscrever nos treinamentos, é necessário um cadastro simples, preenchido em poucos segundos. Para participar, é só se conectar a ferramenta, via internet, através de áudio e vídeo.

Bom proveito!

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Glucosamina e condroitina para artrose, isso funciona? (2)

Tendo em vista a audiência e os vários comentários do tópico "Glucosamina e condroitina para artrose, isso funciona?" resolvemos adicionar mais algumas evidências mais recentes.

Para isso, revisamos rapidamente o assunto e percebemos que a glucosamina e a condroitina ainda são alvo de muito debate na literatura mundial. Enquanto há várias fórmulas possíveis das mesmas substâncias, até o momento não há definição clara de qual seria a melhor formulação, por mais que existam propostas ditas ideais (1).

Enquanto isso, não apenas o artigo de Wandel (2), mas também outros, como o de Moskowitz nas Diretrizes do Colégio Americano de Reumatologia (3) publicada recentemente (jan 2013) recomendam que não se utilize Sulfato de condroitina, Glucosamina ou capsaicina tópica, pela indefinição da comprovação de efeito benéfico, no entanto reforçam o papel do paciente na tomada de decisão sobre o tratamento após o devido esclarecimento.

Sobre competição de interesse, eles sempre existem, e precisamos ficar atentos. Não apenas em relação a medicamentos, mas em inúmeros procedimentos e recursos de tratamentos de saúde. Esclarecimento, transparência e pesquisa de qualidade é fundamental. Assim como a opinião dos indivíduos que estão sendo tratados, desde que adequadamente orientados e esclarecidos. Por isso permiti comentários de anônimos até o momento.

Esclareço que, conforme as regras de participação neste site, a identificação de comentaristas e participantes é fundamental (confira aqui) e inserções de anônimos ou pseudônimos não serão permitidas no futuro.

Vários comentários não foram autorizados por este motivo, e alguns, neste tópico, foram liberados para não inibir a discussão, mas isso não se repetirá em respeito aos leitores e transparência da discussão. Outros comentários serão bem vindos, como sempre.

Vale reforçar ainda que qualquer decisão sobre qualquer tratamento deve ser tomada mediante uma boa conversa ou consulta com os profissionais de saúde de sua confiança, pessoal e presencialmente.

Abraços a todos e obrigado pela leitura.

Referências:
1. Rovati, L. C., F. Girolami, et al. Crystalline glucosamine sulfate in the management of knee osteoarthritis: efficacy, safety, and pharmacokinetic properties. Therapeutic Advances in Musculoskeletal Disease, v.4, n.3, 8 mar, p.167-80. 2012.
2. Wandel, S., P. Jüni, et al. Effects of glucosamine, chondroitin, or placebo in patients with osteoarthritis of hip or knee: network meta-analysis. BMJ, v.341, 16 set, p.c4675. 2010.

3. Moskowitz, R. W. The 2012 ACR guidelines for osteoarthritis: Not a cookbook. Cleveland Clinic Journal of Medicine, v.80, n.1, jan, p.26-32. 2013
OBS: Respeite o trabalho alheio! Copiar estas postagens é permitido, desde que citada devidamente a fonte.


terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Especialização em Saúde da Família para SC, PR e RS

Estão abertas as inscrições para seleção de candidatos ao Curso de Especialização Multiprofissional em Saúde da Família. São oferecidas 1.200 vagas, distribuídas entre dentistas, enfermeiros e médicos da Estratégia Saúde da Família (ESF) e profissionais componentes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Podem se inscrever profissionais de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul.

As inscrições para o processo seletivo estarão abertas no período de 04/12/2012 até 31/01/2013.



Fonte: aqui

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Parafina para osteoatrose

Enfim, volto rapidamente para tirar o mofo e ilustrar a importância da comprovação da eficácia na prática clínica. Da mesma forma que recursos, métodos e técnicas inovadoras se consolidam através de evidências científicas, recursos antigos que caíram no desuso podem voltar a tona através de evidências de efeito.

Um exemplo disso é o estudo de Dilek et al, ainda "in press", que será publicado em fevereiro de 2013 e apresenta a mensuração do efeito do banho de parafina para o tratamento de indivíduos com osteoartrite nas mãos através de um ótimo de senho de pesquisa. A apresentação deste estudo não se trata de saudosismo ou apologia a recursos aparentemente superados, mas de uma reflexão sobre o que um bom desenho de pesquisa pode provar de recursos aparentemente obsoletos, mas que podem significar efeitos superiores a muitas opções miraculosas disponíveis no mercado.

Fonte: aqui
Os autores demonstraram que a imersão das mão na parafina (acredito que alguns fisioterapeutas mais jovens nem saibam o que é isso) pode ser efetivo na redução da dor e rigidez e manter a força muscular nas mão acometidas por osteoartrite, por até 12 semanas. Infelizmente os autores não observaram poder estatístico suficiente na melhora funcional

Algumas limitações "tradicionais" nos estudos fisioterapêuticos como a pequena quantidade de indivíduos da amostra, o que afeta o poder estatístico a as conclusões, e a falta de um grupo placebo, pois foi utilizado um grupo controle (só com medicação) foram citados pelos autores.

Fica a ideia para projetos de pesquisa para avaliar a eficácia de recursos fisioterapêuticos usuais que ainda não dispõem de evidências de efeito, através de desenhos de pesquisa relativamente simples, de grande aceitação, credibilidade e acima de tudo, necessários.

Abraços e até mais.

Referência:
- Dilek, B., M. Gözüm, et al. The efficacy of paraffin bath therapy in hand osteoarthritis: a single-blinded randomized controlled trial. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, In press, 24 nov 2012.
Respeite o trabalho alheio! Copiar estas postagens é permitido, desde que citada devidamente a fonte e incluído o link para o acesso direto.

domingo, 30 de setembro de 2012

Ferramentas de avaliação do risco de fratura

Fonte
Identificar e prevenir fatores de risco a saúde dos idosos são ações primordiais no estudo do envelhecimento, também chamada gerontologia. As quedas constituem um problema incipiente e com grande repercussão para o indivíduo, sua família e para a sociedade, que assume esta grande carga. As fraturas estão relacionadas com as quedas e à osteoporose. A triagem da osteoporose tem sido proposta como fator de prevenção de fraturas. Além da densitometria óssea, ou como complemento dela, vários instrumentos são propostos, inclusive pela Organização Mundial da Saúde, todos gratuitos e disponíveis on line.

Os recursos citados adiante não servem para avaliar o risco de queda, cujos instrumentos de triagem podem ser testes clínicos bastante simples, como o Teste de Levantar e andar cronometrado (Timed Get Up and GO Test, entre outros - veja publicações relacionadas aqui e aqui), mas para avaliar o risco de fratura em caso de queda por osteoporose/osteopenia. Sabemos que o exame de escolha é a densitometria óssea, nem sempre acessível a todos. Assim, alguns instrumentos podem auxiliar como ferramentas de rastreio ou para triagem para indicar a densitometira apenas pacientes com maior risco. Além disso, são propostas para direcionar o tratamento medicamentoso.

É fato que nem sempre se dispõem de um computador, quiçá uma conexão com a internet. Porém, no caso de existir pelo menos um computador, é possível utilizar apenas a planilha Chamada SAPORI, extremamente simples, útil e validada para a população brasileira. Serve para o rastreio de indivíduos mais predispostos a fraturas por osteoporose e indicar a densitometria de forma mais racional e precisa **.

Para mais informações importantes sobre o rastreio do risco de fraturas por osteoporose, acesse este artigo do BMJ, disponível aqui, artigo atual, de excelência, didático e esclarecedor. Caso haja limitação com a língua, utilize o tradutor do navegador Chrome, ou copie o atalho do artigo neste endereço aqui.

As ferramentas propostas neste artigo podem ser acessadas através dos links abaixo. Fique a vontade para incluir seu comentário sobre o assunto.

Ferramentas de avaliação do risco de fratura:
*FRAX (clique aqui), a ferramenta de avaliação do risco de fratura da Organização Mundial da Saúde pode ser usada por pessoas com idade entre 40-90 anos, com ou sem valores de densidade mineral óssea. OBS: Não validado para a população brasileira.
*QFracture (clique aqui) pode ser usado por pessoas com idades entre 30-85 anos de idade. Os valores de densidade mineral óssea não podem ser incorporados no algoritmo de risco.
**SAPORI. (acesse aqui) instrumento simples, útil e válido, em nosso meio, para identificação de mulheres, na pré, peri e pós-menopausa, com maior risco de osteoporose e fratura por fragilidade óssea denominado SAPORI – São Paulo Osteoporosis Risk Index.

OBS: Os instrumentos acima foram idealizados para serem utilizados por profissionais de saúde em serviço. Se você for leigo, por favor, peça orientações adequadas apenas ao profissional de saúde de sua confiança e que seja capacitado na área.
Respeite o trabalho alheio! Copiar estas postagens é permitido, desde que citada devidamente a fonte e incluído o link para acesso direto.